O Ocidente criou uma China imaginária e maléfica para o seu povo odiar e temer – e está a funcionar

100 2021-05-16 21:22:23 Politica
Os regimes ocidentais estão a fazer lavagem cerebral ao seu povo com sinofobia. Querem que odeie e receie que a China produza consentimento para a agressão anti-China. Foi criada uma China fictícia, semelhante a Mordor, para atingir este objetivo.

Se um alienígena pousasse na Terra hoje e lesse reportagens da mídia ocidental sobre a China, eles chegariam a uma conclusão inequívoca: a China é uma nação abrangente e exclusivamente maligna. Prende e mata civis sem motivo, comete todos os tipos de atrocidades contra seu povo (que aparentemente também são imundos e espalham doenças), comete genocídio em minorias étnicas, controla obsessivamente os pensamentos das pessoas, libera pragas mortais sobre o mundo, intimida outras nações e os aprisiona em dívidas, e é uma nação cujos líderes do mal são todos fanáticos, obcecados com o poder e decididos a destruir o mundo.

Os alienígenas poderiam ser perdoados por presumir que todo o mal neste planeta é por causa da China (e talvez a Rússia e o Irã incluídos em boa medida) - e os EUA, embora não sejam perfeitos, são, no entanto, uma força para o bem, um anjo da guarda global, a superpotência benevolente que mantém o mundo unido. É o único motor da paz mundial e da solidariedade internacional, o baluarte solitário contra as más hordas comunistas chinesas.

Fabricando Centro de Poder X fabricando consentimentos
Desde que as reformas econômicas chinesas começaram e a China começou a "subir", a mídia ocidental lançou uma campanha massiva de propaganda contra ela. Cada ação chinesa é examinada até a morte, cada ação errada ou erro criticado indefinidamente e cada conquista é quase sempre ignorada ou minimizada.
Dois fatores ajudam a explicar essa campanha de ódio sinofóbica. O primeiro é a política padrão para 'fabricar consentimento' e fabricar ódio - o propósito do jornalismo ocidental, especialmente contra a única nação na Terra que pode se opor à hegemonia dos EUA. O segundo é o velho racismo - o pilar central da cultura ocidental.

O reino do meio
Os EUA se veem como o centro do universo, com outras nações apenas orbitando ao redor dele e prestando homenagem. A América trata muitos deles como seus asseclas, ou “aliados” e “parceiros”, para usar a popular - embora imprecisa - terminologia. Manter a hegemonia global e racial continua sendo fundamental para a política externa dos Estados Unidos. Qualquer modelo de desenvolvimento de sucesso que não obedeça às normas ocidentais não pode ser tolerado.

Assim, hoje, quando os EUA veem o surgimento de outro centro de poder bem-sucedido, sua resposta pavloviana é recuar violentamente. Como a China é muito bem-sucedida, ela deve ser suprimida. Uma nação não aliada que não seja uma “democracia” de estilo ocidental não pode ter permissão para se desenvolver - seja tecnologicamente ou financeiramente, e certamente não militarmente. E como a China nem mesmo é uma nação de maioria branca, ela precisa ser ainda mais esmagada.

Clica aqui para ler mais Partilha Agora

Artigos Relacionados