Irmãos Kafala

1ª Arte - Música

PUB


Biografia

O início da carreira de Moisés Kafala, o mais velho dos Irmãos Kafala, ficou marcado pela participação, em 1969, num concurso musical, realizado na Escola Primária nº 147, em Luanda, onde saiu vencedor. Na mesma década criou um grupo musical no internato da Missão Católica dos Bângalas. Foi nesta altura que Moisés Kafala compõe “Papa” um tema que viria a ser um dos grandes êxitos do duo: Uafu dilenu/ uafu dilenu/ Ó mutu kioso ufuá/ ka zuela dingue maka/ Ó mutu kiá mufu mesu/ Ka mona dingue kima/ Ó mutu kiá mu batula maku/ Ka kuata dingue kimée.../ Ó papa, papa uafu dilenu/ Ka ndo ta dingue sabu ku bata/ ossoia solé/ Nga bande ku muxi nge xile mu banga/ Ji ngutu jiame/ ye nie ó sabu iá papa/ Papa uaia zé mualunga/Eh…eh papa... A canção“Papá”, tema nostálgico criado em homenagem ao pai de Moisés e José Kafala morto pelos colonialistas portugueses em 1961, foi gravado, pela primeira vez,em 1979, nos estúdios da Rádio Nacional de Angola, e representa um dos momentos altos carreira do Duo.Em 1976, Moisés Kafala viajou de Luanda para Benguela, onde encontrou o seu irmão José e integrou o grupo “Shalon” – uma pequena formação musical ligada à igreja Católica. Neste grupo Moisés era guitarrista solo e vocal, enquanto José, apenas cantava. Moisés Kafala foi chamado depois a integrar o agrupamento 1º de Agosto, formação ligada ao Centro de Instrução Rodoviária Militar de Benguela, numa altura em que JoséKafala abandonou, parcialmente, a música.

Moisés Kafala tentou o teatro, em 1980, no Grupo Experimental Primeiro de Maio, como compositor e actor, e representou a peça teatral a “A Praga” de Óscar Ribas. Ainda em 1980, participou no Primeiro Festival Nacional da Canção Política realizado no Huambo, tendo conquistado o primeiro lugar.

Em 1981 começou a internacionalização de Moisés Kafala quando participou, em Berlim, no 12º Festival Internacional da Canção Política. Sobre o facto Moisés lembra nostálgico: “Foi a primeira vez que estive sob uma temperatura de 15graus abaixo de zero. Estava com o falecido Beto Gourgel, Dom Caetano e Zeca Sá… foi um tempo de felicidade, e muita música.”

A expressividade artística dos irmãos Moisés e José Kafala configura uma harmonia vocal cuja história assenta na liturgia religiosa. O pai de Moisés e José cantava, foi pastor e regente de coro da Igreja Protestante, colocado nos Dembos, hoje província do Bengo. Militantes de uma temática textual de feição marcadamente humanista e social, os Irmãos Kafala evocam nas suas canções a dor, o sofrimento, a conflitualidade étnica e amorosa, e a eterna esperança de um mundo melhor.

José Kafala venceu, em 1984, o Primeiro Festival de Artistas Amadores das Forças Armadas, com o tema “Ngui mbalundo” e, em 1985, arrebatou o primeiro lugar do Top dos Mais Queridos da Rádio Nacional de Angola, com o tema “Ó Kudizola Kueto”, gravado depois com o “Amandla”, a banda musical do ANC, “African National Congress” da África do Sul.

A partir de 1985, José Kafala grangeiou um singular prestígio do público e viajou por vários países. Portugal, Bulgária e Alemanha, foram os principais destinos, onde obteve inúmeros aplausos junto da crítica musical local, das quais destacamos uma apreciação crítica da jornalista búlgara Buchaskova. Actualmente, José Kafala segue uma carreira, a solo, fazendo espectáculos, restritos, em apresentações dispersas. No dia 14 de Abril de 1987, dia da Juventude Angolana, aconteceu o reencontro do grupo. O duo brindou o facto com um espectáculo de gala, realizado no cine Karl Marx, e interpretaram, de forma apoteótica, a canção “Ngola”.

Fonte:Jornal de Angola